quinta-feira, 12 de julho de 2007

Carta à Emily


Querida,
já não estranhe se me vires por estes dias desistindo de mim. É uma questão de tempo até que já nem me olhe no espelho, ou que me esqueça adormecido sobre algum de meus rascunhos. Tenho andando em dias tão austeros, tão miseráveis em alento...É um momento crítico quando nos falta a automisericórdia, ela é quem faz com que amemos a nós mesmos, e nos empurra para frente continuamente. Tenho andando tão covarde, e esse medo ridículo de viver já me tomou a tal ponto que já não convém chorar, pois se perdeu a emoção.
Não pense que viver outras vidas em pensamento é de grande sanidade. É uma negligência destrutiva ao que se chama de "eu", é esquecer-se num jardim de inverno no advento da primavera. Viver outra vida é sinal de que já não se tem mais para onde ir, quando se perde o amor pelo que você realmente é. É o que tenho feito nos últimos anos: me matado pouco a pouco, sem ao menos importar-me com isso. Mato-me da pior forma possível: mato-me apenas por abandono, faço-me cinzas pelo esquecimento, e não por ódio.
Você me conhece mais que ninguém, é minha mais distante e próxima amiga. Te criei em pensamento há alguns anos, quando já não aguentava minha própria vida. Imaginando-te a cada dia, fui construindo a pessoa que hoje você é. Mas você não foi como os outros que criei. Me apeguei tanto a ti que, quando vi, eu era ti. Não era mais você que estava dentro de mim- estávamos juntos dentro de um mundo que eu criei. Eu vivia como se fosse você, pensava por sua mente, cantava por tua garganta.
É por sermos tão próximos que venho te contar que morro aos poucos, e preciso de ti. Quero que um dia eu possa lembrar de ti e rir debochadamente. Quero um dia me livrar de você. Mas ainda não é hora. Sinto que a cada dia necessito trancar-me em seus (nossos) sonhos, desesperadamente, para que eu encontre algo que me sirva de alento.
Ainda não posso me separar de você, preciso da sua vida. Cuide de mim como um filho esta noite.

Contudo, não me ame jamais, pois quando não mais precisar de ti, destruo-te.


Teu criador e criatura, Tadeu.
à minha sempre amada e invejada Emily Blankenheimer.

[Inspirada num texto de Clarice Lispector]

6 comentários:

Abstracoess disse...

medo ridículo de viver
adorei, tu escreve de uma forma otema ;D

Candoca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Candoca disse...

De verdade é impressionante a maneira como as coisas acontecem na minha e na tua vida de maneira tão semelhante e ao mesmo tempo.
A cada dia que passa me reforça a idéia de que não temos sanidade alguma.
Nosso futuro é ficarmos juntos vagando nesse mundo fértil e ilusório que é a nossa mente.

PS: Doze de julho foi um bom dia para mim, rs ...

Beijos candoca!

Bina Goldrajch disse...

Eu AMEI o texto... na verdade, Clarice Lispecor é o máximo! E se se inspirou nela, é claro que sairia poesia!
Li seu texto num piscar de olhos... cada vez mais você me impressiona com a sua escrit Voc~e é um talento nato!!

"Do meu jeito são, do meu sarro,do meu som" disse...

Amor por ti é o que mais tenho e receio (às vezes) amar-te em tamanha proporção.
Certamente ou de modo indefinido é alucinação habituar-se em um mundo arquitetado (sendo que necessitamos de um ambiente onde nós ditamos as regras e a parte do felizes para sempre).
Sei que é dificil, mas destrua Emily enquanto há tempo, não digo tempo de sonhar, mas de viver (a vida não espera). Ou estará submerso em um conto, a proporção de que nunca mais conseguirá atingir à superfície.
Tu precisa perceber que todos (ou poucos, quem sabe) almejam apenas te ver sorrir, todos os dias, rir e sonhar de olhos bem abertos 100 vezes a cada segundo.

Ana. disse...

Como disse alguém antes de mim, se te inspirastes em Clarice, nada menos encantante poderia sair.

Tua mente me fascina, e o modo com a expõe, mais ainda. (: